Muita gente acha que restauração e obturação no dente são a mesma coisa, mas não é bem assim. Em comum, pode-se dizer que ambos os tratamentos estão entre os mais recorrentes nos consultórios odontológicos. E, apesar de serem simples e rápidos, eles exigem alguns cuidados posteriores a fim de que os resultados sejam mantidos.

Neste texto, explicaremos melhor o que é a restauração e quais são as suas diferenças em relação à obturação. Continue com a leitura para entender um pouco mais sobre o assunto e ainda ficar por dentro de algumas dicas de cuidados que você não pode deixar de lado!

O que é a restauração e qual é a sua finalidade?

Quando um dente está cariado, seu esmalte fica comprometido e não pode mais ser recuperado. Contudo, é preciso conter a lesão e reconstruir essa estrutura calcária, o que é fundamental para evitar complicações ainda maiores.

Os casos de cárie podem ser tratados com uma restauração ou obturação no dente. Na primeira situação, a resina é utilizada para fazer os reparos e recuperar a forma da região afetada pelas bactérias. Já na obturação, se usa o amálgama — metal acinzentado — para fazer essa reconstituição do dente.

A desvantagem dessa segunda opção é o visual estético. Como a resina tem uma tonalidade similar à cor natural dos dentes, as restaurações garantem uma aparência mais harmoniosa para o sorriso. Logo, esse é o procedimento preferido nos consultórios atualmente.

Como funciona o procedimento?

A restauração e obturação no dente são processos que consistem na remoção dos tecidos lesionados. Normalmente, essa etapa é precedida por uma anestesia local, para aliviar qualquer possível dor que paciente venha a sentir e dar maior liberdade para o profissional realizar o seu trabalho.

Depois que a parte danificada do esmalte é retirada, o dentista faz a limpeza e começa a  reconstruir o dente com os materiais de sua preferência. A cavidade é preenchida para, então, o procedimento ser finalizado com o polimento. Desse modo, o dente volta a ficar saudável e totalmente funcional, sem prejuízos para o sorriso do paciente.

Que benefícios estão envolvidos?

Não há dúvidas de que o sorriso é um componente importante para a imagem de qualquer pessoa. Não por acaso, ele é conhecido como um “cartão de visitas” — já que tem a função de transmitir uma boa impressão.

Por conta disso, muita gente tem um cuidado especial em manter os dentes limpos e alinhados. E, com o avanço dos tratamentos odontológicos, ficou mais fácil corrigir as imperfeições tendo o acompanhamento de um bom profissional da área.

No caso dos procedimentos de restauração, obturação e afins, a estética é um dos grandes objetivos dos pacientes. Ao mesmo tempo, é imprescindível pensar pelo lado da saúde bucal, pois deixar os dentes cariados é um enorme risco.

Em alguns casos, quando o problema não é solucionado, pode ser originada uma pulpite — inflamação da polpa dentária —, que exige tratamento de canal. Em outros, as bactérias atingem camadas profundas, chegam à corrente sanguínea e se espalham por outros tecidos. Há, ainda o perigo da pessoa ter o seu dente todo afetado e perdê-lo, sendo obrigada a procurar outros tratamentos para solucionar o quadro.

Então, fica claro que a restauração proporciona benefícios estéticos, funcionais e preventivos para os pacientes. Mas o que fazer para que esse tratamento seja bem-sucedido?

Quais cuidados devemos ter com a restauração?

Tanto a amálgama quanto a resina, além de outros materiais que podem ser usados para fazer uma restauração, têm como característica a excelente resistência. Mas isso não significa que não existe a possibilidade de se soltarem ou trincarem em função de alguns fatores. Por isso, é preciso que recebam os devidos cuidados para que tenham maior durabilidade.

Após ter um dente restaurado, a pessoa deve começar a observar certos aspectos e mudar determinados costumes para não ter que refazer o tratamento. Para ajudar nesse processo, listamos as melhores recomendações para aqueles que acabaram de fazer esse procedimento. Acompanhe!

Mastigar com cuidado

É importante ficar atento na hora de mastigar os alimentos após realizar uma restauração ou obturação no dente, principalmente para evitar danos no material aplicado pelo profissional.

Nos primeiros dias após fazer o procedimento, essa prudência deve ser ainda maior. Se o dente ficar dolorido, procure fazer as refeições com calma e bastante cuidado. Para isso, você pode seguir algumas sugestões:

Powered by Rock Convert
  • evite mastigar do lado tratado;
  • procure controlar a força na hora de morder, para minimizar a pressão;
  • tenha atenção para evitar o impacto direto entre os dentes, pois isso pode gerar sobrecarga no local.

Ter atenção ao ingerir coisas duras ou pegajosas

Alguns tipos de comida devem ser consumidos com cautela por pessoas com restauração, obturação no dente e até mesmo por quem usa aparelho dentário fixo ou prótese. É o caso de alimentos com textura muito dura ou pegajosa, que podem causar danos ao material ou prejudicar o tratamento.

Em relação aos alimentos duros, que são difíceis de mastigar, existe o risco de causar a quebra da resina. Já os pegajosos aderem ao material e podem fazê-lo se desprender, deixando o local tratado exposto mais uma vez e suscetível a novas cáries.

Diminuir o consumo de bebidas e alimentos muito quentes ou gelados

Depois fazer uma restauração ou obturação no dente, é natural que ele fique mais sensível pelo menos por um tempo. Existe a possibilidade de sentir alguns incômodos durante a mastigação, devido ao contato direto com alimentos e bebidas — em especial aquelas muito quentes ou geladas.

Por isso, é interessante ter cuidado com a temperatura de tudo o que será ingerido. Há situações em que a sensibilidade permanece, mas isso acontece principalmente com pacientes cuja extensão da lesão causada pela cárie foi muito grande.

Se esse for o seu caso, o ideal é procurar o seu dentista e conversar sobre opções de tratamentos para amenizar o desconforto. Uma possível indicação é o uso de cremes dentais específicos para sensibilidade dentária, que pode ser o suficiente para resolver o problema.

Evitar comidas e líquidos pigmentados

Os alimentos coloridos são aqueles ricos em corantes, seja de origem natural — como o açaí, a beterraba e o café — ou artificial — como refrigerantes de cola, sucos em pó e gelatina. Todos eles causam alterações de tonalidade do esmalte e também da resina.

Não é necessário retirá-los do cardápio, mas é interessante ter certa moderação para evitar o acúmulo de pigmentos no dente restaurado. No caso das bebidas, uma dica é usar um canudo para impedir o contato do líquido com os dentes.

Reduzir o consumo de doces

açúcar é um dos vilões da saúde bucal quando consumido em alta quantidade — ainda mais quando a higienização não é realizada da forma adequada. Os alimentos e bebidas muito doces atraem as bactérias que causam as cáries.

Elas aproveitam os resíduos que ficam grudados nos dentes e, como resultado, produzem um ácido que consegue corroer a estrutura dentária. Assim, é bom colocar alguns limites na ingestão — tanto na frequência como na quantidade — desse tipo de substância.

Realizar a higiene bucal corretamente

Um dente que foi restaurado, ou seja, que tinha uma cárie, pode ter desenvolvido esse tipo de problema em função de uma higiene bucal inadequada. Portanto, depois de realizar o tratamento, é essencial que você tenha um pouco mais de cuidado com a escovação, minimizando as chances de reaparecimento do quadro.

O ideal é realizar a limpeza após cada refeição, removendo a placa bacteriana. A obturação também precisa ser escovada, pois resíduos de alimentos se acumulam ao seu redor. Procure fazer isso com uma escova de cerdas macias, que terá um menor atrito sobre o material e evitará sua quebra ou soltura.

Eliminar pequenos hábitos nocivos

Costumes como roer unhas, morder tampa de caneta ou lápis e usar os dentes para abrir embalagens são atitudes muito prejudiciais para o esmalte dentário e, consequentemente, também podem danificar a restauração.

Sendo assim, é melhor deixar de lado essas manias. Comece policiando as suas próprias ações, para que o material não se quebre ou fique solto. Para controlar o hábito de mascar objetos, procure ter sempre em mãos um chiclete sem açúcar e, para abrir as coisas, use as ferramentas adequadas.

Retornar ao dentista periodicamente

Todos as pessoas precisam realizar regularmente consultas com o dentista, independentemente se elas têm ou não cáries. No caso de quem já realizou a restauração ou obturação no dente, o profissional procurará por trincas, infiltrações ou pequenas quebras que poderiam desencadear novos problemas.

Na consulta também serão definidas medidas preventivas, como a profilaxia — limpeza de consultório — e a tartarectomia — procedimento realizado para remover o tártaro que se forma entre os dentes, nas bordas da gengiva ou abaixo dela. No mais, o profissional vai indicar as práticas complementares que você deverá ter em casa.

Pode ter certeza que essas dicas serão fundamentais para que você não precise enfrentar maiores problemas com o dente tratado. Vale destacar, contudo, que caso perceba que há algo errado com a restauração, é necessário procurar um dentista imediatamente. Dessa forma, evitará novos transtornos.

Você já precisou fazer uma restauração ou obturação no dente? Sabia da necessidade de tomar tantos cuidados depois de realizar esses procedimentos? Se ainda tiver alguma dúvida sobre o assunto ou quiser compartilhar a sua experiência, deixe seu comentário neste post e divida com a gente!

Powered by Rock Convert

Escreva um comentário

Share This