Você sabe o que é diastema? Essa ocorrência pode gerar tanto insatisfações no âmbito estético, afetando a autoestima dos pacientes, quanto também trazer prejuízos para a saúde e para a qualidade de vida dessas pessoas. Por isso, apenas um profissional da área odontológica pode determinar a necessidade ou não de tratamentos e procedimentos para resolver a situação.

O diastema é caracterizado pelo afastamento de dois ou mais dentes, criando um espaço entre eles. Esse vão pode ser tanto definitivo quanto progressivo, ou seja, pode ser que ele aumente com o passar do tempo, dependendo das características da arcada de cada indivíduo.

Mas afinal, quais são as causas desse problema e quais são os tratamentos existentes para resolvê-lo? Há a possibilidade de reincidência ou os resultados são definitivos? Há consequências para a presença do diastema? Tire as suas principais dúvidas sobre o assunto em nosso artigo. Boa leitura!

O que é diastema?

Como mencionado anteriormente, o diastema é caracterizado por ser um espaço entre os dentes. Essa lacuna, obviamente, não diz respeito àqueles que todos nós temos, por onde utilizamos o fio dental. Refere-se a um espaçamento maior, que pode ou não ser imperceptível.

Os diastemas podem aparecer em qualquer região de nossa boca, ou seja, nos dentes posteriores, anteriores, inferiores e superiores. No entanto, eles normalmente são mais notados quando afetam os dentes de cima e da frente.

Outro ponto que deve ser salientado é que não há uma idade certa para que o paciente apresente essa condição. Tanto as crianças quanto os adultos podem ter a presença de diastema em seus sorrisos.

Quais são as principais causas para o seu surgimento?

O espaço entre os dentes pode ser causado por uma série de ocorrências diversas. Gostaria de conhecê-las? Continue a leitura e fique por dentro!

Formato do rosto

O formato de seu rosto pode fazer com que os seus dentes fiquem espaçados. Isso ocorre devido a uma discrepância entre os tamanhos dos dentes e da mandíbula, quando o rosto é muito grande para o tamanho da dentição, fazendo com que eles fiquem longe um do outro.

Desenvolvimento da arcada

Essa causa, embora bastante parecida com a anterior, normalmente afeta crianças ou adolescentes que se encontram na fase de crescimento. Isso faz com que uma disparidade seja gerada e que alguns dentes se afastem uns dos outros. Na maioria das vezes, no entanto, o diastema é autolimitante nesses casos e se resolve com o tempo.

Gengivite

Por incrível que pareça, a gengivite e a doença periodontal também podem causar o diastema. Quando as bactérias afetam as porções mais internas do dente, como os ossos, eles podem se tornar facilmente movimentáveis e se afastarem.

Hábitos

Alguns hábitos, como chupar dedo ou pressionar a língua contra os dentes, podem fazer com o que diastema apareça, especialmente em crianças, que têm a dentição mais moldável. Isso não impede, é claro, que isso também cause o diastema em adultos, caso seja algo rotineiro.

Perda de dentes

A perda de dentes é um problema não só pelo óbvio espaço causado, mas também por conta da facilitação do afastamento de outros dentes. Com o espaço extra, é muito mais fácil que eles se movam e que o quadro piore progressivamente.

Hereditariedade

Você já percebeu que boa parte das pessoas com diastema têm pais que também têm os dentes afastados? Isso ocorre graças à hereditariedade, já que o formato do rosto e o tamanho dos dentes são definidos por meio de nosso DNA, que é transmitido de geração em geração.

O diastema pode ser nocivo para a saúde?

Muitas vezes, a presença de uma lacuna entre os dentes não causa qualquer problema para a saúde. Isso ocorre, principalmente, quando esse espaço é fixo, ou seja, não muda com o tempo, ou até mesmo naqueles casos em que eles são pequenos e até imperceptíveis.

Outro caso em que o diastema normalmente não é prejudicial é quando ocorre nos dentes superiores e da frente. Para muitas pessoas, isso é inclusive um tanto charmoso e pode ser considerado uma qualidade.

O problema ocorre quando o diastema acomete os dentes da parte de trás, ou seja, aqueles que estão mais ligados com a mastigação dos alimentos e que estão próximos de várias terminações nervosas.

Isso ocorre não só pelos prejuízos trazidos para a mordida e a mastigação, que podem ficar comprometidos, como também pela facilidade de acúmulo de restos de comida somados ao difícil acesso para realizar a higiene bucal adequada. Com tudo isso, fica muito mais fácil que doenças como a periodontite apareçam, muitas vezes de maneira silenciosa.

Além disso, o diastema, quando muito severo, pode contribuir para o desalinhamento dos dentes. Além de causar efeitos estéticos, esse problema prejudica a mastigação e pode trazer dores que minam a qualidade de vida e a produtividade dos pacientes.

Quais são os tratamentos existentes?

Como as causas para o problema são muito diversas, é necessário avaliar cada caso para definir o melhor protocolo de tratamento a ser seguido. Para isso, o dentista examinará o paciente e solicitará alguns exames complementares, como raios-X, para observar a estrutura óssea do indivíduo.

O tratamento mais comum, seja na infância, seja na vida adulta, é o uso de aparelhos ortodônticos que movimentarão os dentes, deixando-os na posição correta e tratando o diastema.

No entanto, as alternativas incluem a colocação de próteses, lentes de contato dentais, cirurgias no freio ou até mesmo trabalhos feitos na gengiva para corrigir os diastemas que são mais visuais do que estruturais. Tudo isso dependerá de cada caso e da necessidade ou não de intervenções.

É possível que o problema retorne? Como evitar?

Algumas vezes, o diastema pode, sim, retornar. Por isso, é necessário conversar com o dentista responsável pelo tratamento para que ele avalie as chances de que isso aconteça.

Para evitar a reincidência do problema, a maior dica que podemos oferecer é sempre cuidar excepcionalmente bem da saúde bucal (evitando doenças como a gengivite, por exemplo) e caprichando nas consultas periódicas com o seu dentista. Assim, é possível avaliar possíveis mudanças com maior antecedência e partir para uma abordagem mais específica.

Agora que você já sabe o que é diastema, entende que ele é um problema muito característico que nem sempre requer tratamento. No entanto, quando oferece riscos para a saúde ou afeta a autoestima dos pacientes, é necessário intervir para oferecer uma melhor qualidade de vida às pessoas acometidas.

E então, tirou as suas principais dúvidas sobre o diastema? Se não, deixe um comentário abaixo com a sua pergunta e a nossa equipe retornará o quanto o antes!

Escreva um comentário

Share This