Categoria

Notícias do Mercado Saúde

Categoria

ANS esclarece direitos de beneficiários de planos de saúde

Agência identificou principais dúvidas dos consumidores para elaborar campanha institucional. Em 2016, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizou uma pesquisa para entender como os consumidores escolhem os planos de saúde, quais são suas principais dúvidas, como eles avaliam a qualidade dos serviços e como anda o conhecimento sobre seus direitos e deveres. Com posse dos dados levantados, a agência se mobilizou para criar uma campanha informativa com o objetivo de explicar para a sociedade seu papel de órgão regulador, bem como esclarecer os consumidores de planos de saúde sobre seus direitos. Conheça os materiais da campanha A campanha contou com um comercial de 30 segundos para televisão, cinco animações para internet e redes sociais, além de um portal dentro do site da agência. Abaixo, conheça e acesse cada material. Filme: no comercial para TV, que tem 30 segundos de duração, a ANS procurou explicar para o consumidor, em…

Fraudes e desperdício consomem 19% das despesas da saúde suplementar

Em pesquisa recentemente produzida no Brasil estima-se que, somente em 2015, cerca de R$22 bilhões dos gastos das operadoras de planos de saúde com contas hospitalares e exames foram gerados indevidamente em virtude de fraudes e  procedimentos médicos realizados desnecessariamente. Isso representa 19% das despesas assistenciais das Operadoras de Plano de saúde, o que compromete as suas próprias finanças e consequentemente de quem contrata um plano de saúde. Tais informações foram levantadas através do estudo “Evidências de práticas fraudulentas em sistemas de saúde internacionais e no Brasil”, realizado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). O principal objetivo da pesquisa foi dimensionar os impactos das fraudes na saúde suplementar , além de apontar experiências bem sucedidas no combate as práticas inadequadas que podem beneficiar o setor. Neste post, conheça as principais conclusões deste importante estudo, bem como as soluções apontadas para modernizar o controle do sistema de saúde privado brasileiro. Leia…

Número de fumantes cai 42% entre beneficiários de planos de saúde

20 milhões de brasileiros, no entanto, ainda não largaram o vício, o que ainda preocupa. Fumar é prejudicial à saúde, causa dependência e seus efeitos estão associados a diversas doenças. Por isso, já há alguns anos, seus riscos vêm sendo amplamente divulgados e seu consumo restringido. Um estudo recentemente divulgado mostra que todo esse esforço tem valido a pena: o número de fumantes no Brasil está caindo. De acordo com os dados do Vigitel 2015, levantamento realizado pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em todo o país, o índice de fumantes, entre os beneficiários de planos de saúde, caiu 42% desde 2008, de 12,4% para 7,2%. A pesquisa também apresentou os dados da população como um todo, e os resultados, embora mais tímidos, também apresentam uma tendência de queda: 30,7% (de 15,8% para 10,8%). E mais: o levantamento ainda apontou a redução no número de fumantes passivos, aqueles…

Usuários de planos de saúde estão comendo mais frutas e verduras

Pesquisa mostra ainda que número de fumantes diminuiu, mas que a obesidade vem crescendo Nos últimos nove anos, muita coisa mudou na vida dos beneficiários de planos de saúde. Nesse período, muita gente deixou de fumar, o que é uma ótima notícia. Outros tantos, porém, passaram a sofrer com sobrepeso ou obesidade. Isso é o que mostra a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) Brasil 2015, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Trata-se do quarto levantamento da série, que começou em 2008. Na pesquisa, mais de 30 mil beneficiários de planos de saúde de 26 capitais e do Distrito Federal responderam a perguntas sobre hábitos alimentares, atividade física, obesidade, tabagismo etc. O objetivo, segundo descrito no próprio levantamento, é avaliar como andam os fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como…

Planos de saúde: prevenção e gestão ajudam a controlar custos

Já diz o ditado: saúde não tem preço. Mas, apesar de ser a pura verdade, o fato é que os cuidados com ela tem seu custo, o que não poderia ser diferente com planos de saúde – benefício mais valorizado pelos empregados depois do salário. As empresas também enxergam no serviço uma garantia de tranquilidade (além de maior produtividade). No entanto, em tempos de restrições orçamentárias, muitas organizações acabam optando pela troca do plano, redução dos benefícios ou aumento da fatia paga pelos empregados. De fato, existem muitas alternativas e todos têm que buscar soluções. Mas os gestores, antes de buscar soluções radicais, devem entender que existem diversos fatores que encarecem o serviço, e que muito pode ser feito para controlá-los, reduzindo assim os custos. Pesquisa indica alguns vilões Recentemente, a Advance Medical, líder global em segunda opinião médica, realizou uma pesquisa com 180 mil beneficiários de empresas nacionais e…

Planos de Saúde são um diferencial estratégico

Em tempos de escassez de recursos, a competição por mão de obra qualificada tem se tornado um dos grandes desafios das empresas brasileiras. Afinal de contas, são os profissionais mais talentosos que entregam os melhores resultados. Quando as margens estão mais apertadas, estes profissionais acabam sendo mais disputados, isso é inevitável. Contratá-los e retê-los, portanto, passa a ser uma exigência de mercado, além de um diferencial estratégico. Neste contexto, vale observar os resultados de algumas pesquisas sobre o assunto. Em levantamento realizado pela consultoria Catho com mais de 26 mil profissionais em todo o Brasil, a assistência médica e a participação nos lucros são considerados os benefícios mais valorizados pelos profissionais brasileiros. Segundo a pesquisa, para 74,6% dos entrevistados a assistência médica é o item mais importante, seguido pela PLR, com 57,2%. O item assistência odontológica, por sua vez, foi o sétimo mais citado, com 40,4%. Veja abaixo os 10 itens mais…

Próteses e Órteses: o que são e quando recorrer à elas

Órteses e próteses são produtos médicos fundamentais para aumentar a qualidade de vida de muitas pessoas. Elas foram criadas para suprir ou corrigir alterações em órgãos e membros ou a deficiência de funções do corpo humano. Apesar de serem similares, têm funções um tanto distintas. Neste artigo, você vai conhecer as diferenças entre elas e saber quando recorrer ao seu tratamento. Diferença entre órteses e próteses Órteses e próteses são dispositivos que podem ser utilizados de duas formas: permanente, quando não têm previsão de serem retirados, ou transitória, quando cumprirão sua função por determinado período de tempo. A diferença fundamental entre elas é a seguinte: próteses: substituem de forma integral ou parcial um membro, órgão ou tecido; órteses: auxiliam um membro, órgão ou tecido, evitando ou controlando deformidades, além de compensar possíveis insuficiências funcionais. Em outras palavras, a primeira substitui uma parte do corpo e a segunda auxilia uma função. Porém, se você ainda…

Doenças e Lesões Preexistentes

Uma das maiores dúvidas de pessoas e empresas que vão adquirir um plano de saúde é a respeito das doenças e lesões preexistentes: tanto sobre seu significado quanto das condições em que são atendidas pelas operadoras. É por isso que pretendemos, com este artigo, esclarecer este conceito e informar sobre as opções de cobertura oferecidas pelas operadoras. O que são lesões ou doenças preexistentes? De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) *, são “aquelas que o beneficiário ou seu representante legal saiba ser portador ou sofredor, no momento da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde”. Em outras palavras, de acordo com a lei, doenças preexistentes são aquelas que: Já existem no momento da contratação do plano de saúde. São conhecidas pelo beneficiário naquele momento. Como elas são declaradas A forma como o contratante informa sobre as enfermidades que possui é a Declaração de Saúde. Nela, ele relaciona…

Tipos de reajuste em planos de saúde

As mensalidades dos planos de saúde empresariais, como em qualquer outro serviço, estão sujeitas a reajustes com o passar do tempo. Muitas pessoas, no entanto, ainda têm dúvidas sobre o tema. Afinal, como e quando os aumentos ocorrem? A resposta é simples: o reajuste de mensalidades ocorre, atualmente, em duas hipóteses. Uma vez por ano, na data de aniversário de contrato, ou quando o beneficiário faz aniversário e muda de faixa etária para os casos em que o contrato é precificado por faixa etária. Para entender o funcionamento dos reajustes, portanto, é preciso compreender estas regras. Reajuste anual por variação de custos Diferente dos planos individuais, que têm seus aumentos anuais regulados pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), os reajustes anuais dos planos coletivos empresariais são acordados livremente entre as operadoras de saúde e empresas, associações ou órgãos de classe. Como funciona: o percentual de reajuste anual é formado através…

Reduza custos do plano de saúde coletivo empresarial

Entre os maiores vilões do uso indiscriminado dos planos, e da perda de tempo dos usuários, estão a repetição desnecessária de exames, a ida sem necessidade a prontos-socorros e a consulta com diversos médicos. Se você é usuário de um plano de saúde coletivo empresarial, confira abaixo dicas valiosas para usá-lo corretamente. Se você trabalha com recursos humanos, não deixe de compartilhá-las com sua empresa. Consultas médicas: Quem procurar: se estiver na dúvida sobre a especialidade médica mais adequada para tratar os seus sintomas, procure um Clínico Geral. Ele poderá indicar um especialista correto caso necessário. E mais: segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), ele pode diagnosticar 80% dos casos e você ainda não perde seu tempo indo a vários médicos. Confie no seu médico: não troque de especialista a todo o momento. Tenha um médico de confiança e procure-o sempre que precisar. Conhecendo seu histórico, ele pode fazer diagnósticos mais corretos.…