Categoria

Notícias do Mercado Saúde

Categoria

Conheça o Projeto Parto Adequado e seus principais resultados

Iniciativa, que busca reduzir o excesso de cesáreas do país, conseguiu aumentar a taxa de partos vaginais em 76% nos hospitais participantes. No campo da atenção ao parto e ao nascimento, o Brasil é o campeão mundial de cesarianas. Trata-se de um título do qual não podemos nos orgulhar, uma vez que essa realidade está na contramão das evidências científicas e das melhores práticas internacionais. Para se ter uma ideia, no Brasil, em 2015, a proporção de partos cesáreos foi de 57%, contra uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de apenas 15%! No setor de saúde suplementar, o índice é ainda maior: 84%. O que leva a um número tão alarmante, segundo evidências científicas, não são necessidades clínicas, mas fatores diversos como: cultura médica intervencionista; forma de organização e financiamento dos sistemas de saúde; aspectos socioeconômicos; e características psicológicas e culturais das pacientes. Leia também: fraudes e desperdício…

Saiba onde fazer doação de roupas neste inverno

Você ainda pode doar cobertores, mantas e roupas usadas de bebê, crianças e adultos. Durante o inverno, as temperaturas caem e aumenta a importância da população se envolver com a doação de roupas. A simples conscientização, no entanto, não é suficiente. Além da vontade de doar, é preciso que haja pontos de coleta e de distribuição, o que acaba sendo feito por empresas, ONGs e outras instituições, que nesta época se mobilizam para receber as doações. Para tanto, é disponibilizada uma ampla rede, distribuída em diversos pontos espalhados pelo Rio de Janeiro e região metropolitana para arrecadação de cobertores, mantas e roupas usadas. Neste post, reunimos lugares onde é possível fazer as doações. Confira a lista, revise seu armário e ajude quem realmente precisa. Leia também: entenda a diferença entre rinite e sinusite. Cruz Vermelha Esta é uma das mais tradicionais campanhas de doação de agasalhos do país. Durante toda a…

6 dicas para não engordar no inverno

Quando o inverno está chegando e as temperaturas começam a cair, dá aquela vontade de assistir TV debaixo do cobertor, levando junto deliciosos petiscos, não é mesmo? O problema é que os meses passam e, quando começamos a pensar no verão, tomamos aquele susto na balança. Essa é uma verdadeira armadilha, mas que não é difícil de entender. No frio, sentimos mais fome porque nosso corpo precisa de calorias extras para manter sua temperatura regulada. Além disso, muita gente acaba largando os exercícios. Com essa combinação de calorias a mais com atividade física de menos, o resultado não pode ser outro: acabamos engordando. Por isso, se você quiser evitar os quilos a mais, é preciso ter atenção redobrada. Neste post, reunimos algumas dicas valiosas para evitar o ganho de peso durante a estação. Com elas, acreditamos que é possível aproveitar o melhor do inverno e ainda manter a boa forma.…

ANS esclarece direitos de beneficiários de planos de saúde

Agência identificou principais dúvidas dos consumidores para elaborar campanha institucional. Em 2016, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizou uma pesquisa para entender como os consumidores escolhem os planos de saúde, quais são suas principais dúvidas, como eles avaliam a qualidade dos serviços e como anda o conhecimento sobre seus direitos e deveres. Com posse dos dados levantados, a agência se mobilizou para criar uma campanha informativa com o objetivo de explicar para a sociedade seu papel de órgão regulador, bem como esclarecer os consumidores de planos de saúde sobre seus direitos. Conheça os materiais da campanha A campanha contou com um comercial de 30 segundos para televisão, cinco animações para internet e redes sociais, além de um portal dentro do site da agência. Abaixo, conheça e acesse cada material. Filme: no comercial para TV, que tem 30 segundos de duração, a ANS procurou explicar para o consumidor, em…

Fraudes e desperdício consomem 19% das despesas da saúde suplementar

Em pesquisa recentemente produzida no Brasil estima-se que, somente em 2015, cerca de R$22 bilhões dos gastos das operadoras de planos de saúde com contas hospitalares e exames foram gerados indevidamente em virtude de fraudes e  procedimentos médicos realizados desnecessariamente. Isso representa 19% das despesas assistenciais das Operadoras de Plano de saúde, o que compromete as suas próprias finanças e consequentemente de quem contrata um plano de saúde. Tais informações foram levantadas através do estudo “Evidências de práticas fraudulentas em sistemas de saúde internacionais e no Brasil”, realizado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). O principal objetivo da pesquisa foi dimensionar os impactos das fraudes na saúde suplementar , além de apontar experiências bem sucedidas no combate as práticas inadequadas que podem beneficiar o setor. Neste post, conheça as principais conclusões deste importante estudo, bem como as soluções apontadas para modernizar o controle do sistema de saúde privado brasileiro. Leia…

Número de fumantes cai 42% entre beneficiários de planos de saúde

20 milhões de brasileiros, no entanto, ainda não largaram o vício, o que ainda preocupa. Fumar é prejudicial à saúde, causa dependência e seus efeitos estão associados a diversas doenças. Por isso, já há alguns anos, seus riscos vêm sendo amplamente divulgados e seu consumo restringido. Um estudo recentemente divulgado mostra que todo esse esforço tem valido a pena: o número de fumantes no Brasil está caindo. De acordo com os dados do Vigitel 2015, levantamento realizado pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em todo o país, o índice de fumantes, entre os beneficiários de planos de saúde, caiu 42% desde 2008, de 12,4% para 7,2%. A pesquisa também apresentou os dados da população como um todo, e os resultados, embora mais tímidos, também apresentam uma tendência de queda: 30,7% (de 15,8% para 10,8%). E mais: o levantamento ainda apontou a redução no número de fumantes passivos, aqueles…

Usuários de planos de saúde estão comendo mais frutas e verduras

Pesquisa mostra ainda que número de fumantes diminuiu, mas que a obesidade vem crescendo Nos últimos nove anos, muita coisa mudou na vida dos beneficiários de planos de saúde. Nesse período, muita gente deixou de fumar, o que é uma ótima notícia. Outros tantos, porém, passaram a sofrer com sobrepeso ou obesidade. Isso é o que mostra a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) Brasil 2015, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Trata-se do quarto levantamento da série, que começou em 2008. Na pesquisa, mais de 30 mil beneficiários de planos de saúde de 26 capitais e do Distrito Federal responderam a perguntas sobre hábitos alimentares, atividade física, obesidade, tabagismo etc. O objetivo, segundo descrito no próprio levantamento, é avaliar como andam os fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como…

Planos de saúde: prevenção e gestão ajudam a controlar custos

Já diz o ditado: saúde não tem preço. Mas, apesar de ser a pura verdade, o fato é que os cuidados com ela tem seu custo, o que não poderia ser diferente com planos de saúde – benefício mais valorizado pelos empregados depois do salário. As empresas também enxergam no serviço uma garantia de tranquilidade (além de maior produtividade). No entanto, em tempos de restrições orçamentárias, muitas organizações acabam optando pela troca do plano, redução dos benefícios ou aumento da fatia paga pelos empregados. De fato, existem muitas alternativas e todos têm que buscar soluções. Mas os gestores, antes de buscar soluções radicais, devem entender que existem diversos fatores que encarecem o serviço, e que muito pode ser feito para controlá-los, reduzindo assim os custos. Pesquisa indica alguns vilões Recentemente, a Advance Medical, líder global em segunda opinião médica, realizou uma pesquisa com 180 mil beneficiários de empresas nacionais e…

Planos de Saúde são um diferencial estratégico

Em tempos de escassez de recursos, a competição por mão de obra qualificada tem se tornado um dos grandes desafios das empresas brasileiras. Afinal de contas, são os profissionais mais talentosos que entregam os melhores resultados. Quando as margens estão mais apertadas, estes profissionais acabam sendo mais disputados, isso é inevitável. Contratá-los e retê-los, portanto, passa a ser uma exigência de mercado, além de um diferencial estratégico. Neste contexto, vale observar os resultados de algumas pesquisas sobre o assunto. Em levantamento realizado pela consultoria Catho com mais de 26 mil profissionais em todo o Brasil, a assistência médica e a participação nos lucros são considerados os benefícios mais valorizados pelos profissionais brasileiros. Segundo a pesquisa, para 74,6% dos entrevistados a assistência médica é o item mais importante, seguido pela PLR, com 57,2%. O item assistência odontológica, por sua vez, foi o sétimo mais citado, com 40,4%. Veja abaixo os 10 itens mais…